quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Bruna Lombardi

Eu já disse pra vocês que tenho andado por muitos sebos aqui de Curitiba. Estou impressionada com o que tenho encontrado neles. Não somente as quase raridades, mas também algumas preciosidades, livros muito bons e pouco conhecidos. Já encontrei uma 1ª edição de Helena Kolody com autógrafo especial, uma edição do livro Poetas na praça - antologia da Feira do Poeta... À época, muitos de meus alunos iam à feira para imprimir poemas... Tal livro foi impresso na gráfica Carimbex! Vixe! Quem por aí se lembra disso?
Numa dessa encontrei um exemplar um festejado livro de poemas da Bruna Lombardi (guardem seus preconceitos na sacola, por favor), No ritmo da festa. Escolhi postar para vocês algo que considerei sensível e interessante.
(Preciso fazer parênteses bem grandes: Hoje vou lançar duas postagens para compensar ontem, que não cumpri o prometido no Motivo. E também vou, na medida do possível, substituir umas gravações por outras melhores, que estou me aprimorando nessa coisa da "produção sonora" e algumas dentre as primeiras ficaram bem ruinzinhas, vocês hão de convir comigo...)

ROMANCE DE BAIRRO
Bruna Lombardi
Clique para ouvir:




João... mas logo agora
que as coisas tavam se ajeitando
logo agora que eu tinha
aprendido a fazer suflê
logo agora que eu tava
com a melhor das intenções
que eu até falei com o síndico
pra abrir uma janela
pra aquele terreno baldio
só pra você olhar o jogo
que eu ia trocar meu canário
pelo relógio do Armando
de que você tanto gosta, João.

Mas logo agora, João
que pode ter guerra lá fora
que eu tô com medo da vida
que prendem a gente na rua
e nem dizem por que.
logo agora...
quando eu ia plantar tulipas
pra gente fazer de conta
que o mundo é diferente
pra gente não se dar conta
do que está acontecendo
do lado de fora do mundo, João
logo agora
que eu fiz um quadro novo
com umas cores bonitas
porque na rua, João
já tem cinza demais.
eu ia pintar as paredes
com as cores do absurdo
João em que lugar do mundo
você encontra um canto assim?

João, a coisa não é essa
é preciso ter invento
a coisa precisa de graça
tem que ter magia, João
e isso o mundo esquece
... o Mundo, João, não merece
consideração.

Mas logo agora
que eu tinha comprado incenso
e avenca de pôr no vaso
cheiro de jasmim no portão
você não queria... João

logo agora
que as coisas tavam se ajeitando
logo agora que eu tava
com a melhor das intenções
logo agora, João

esperasse mais um pouco.
LOMBARDI, Bruna. No ritmo dessa festa. São Paulo: Três, 1976. p. 81-82.

Nenhum comentário:

Postar um comentário