sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Castro Alves

Já disse para vocês que guardo memórias vigorosas de muitos livros didáticos com que tinha contato quando era criança. Lembro com especial carinho de uma coleção de OSPB ou Moral e Cívica com ilustrações em preto e alaranjado, com uma arraia que voava, como num tapete mágico, levando uma turminha por todo o Brasil. Havia uma brasilidade naquelas crianças de todas as etnais. Eu conhecia todas elas pelo nome e me via um pouco em cada uma delas.
Naquela coleção eu descobri um respeito por meu país, tão grande, tão cheio de gente trabalhadora! Os nordestinos e seus costumes. Nós, do Sul, e nossa variedade. O Norte e o Sudeste, cada um com suas próprias riquezas. E o vigor do Centro-Oeste... Numa das unidades desse livro, uma comunidade de pescadores fazia um MUTIRÃO – e eu aprendi o significado dessa palavra e também de gente que se ajudava forte. Que bonito! Então trabalhar era para todas as cores!
Mas nem sempre foi assim, e para muita gente ainda não é. Trabalhar tem pecha de coisa feia e suja. E certos tipos de trabalho, então?! Castro Alves fala para gente deste nosso tempo em que trabalhar ainda é atividade indigna, gente para quem é certo vender e comprar gente - seu tempo em família, sua vida pessoal, suas almas. No tempo de Castro Alves, as duras palavras que emitiu, por vezes não foram compreendidas e sofreram censura. Não viram que o poeta-profeta-vidente fazia como tantos outros antes dele – Jeremias, Davi, Asafe e Isaías – que, ao verem tamanho sofrimento do povo explorado, questionaram até mesmo o amor divino. Hoje em dia, quantos de nós o censurariam?

O VIDENTE
Castro Alves
Clique para ouvir:


Virá o dia da felicidade para todos. (Isaías)

Às vezes quando à tarde, nas tardes brasileiras,
A cisma e a sombra descem das altas cordilheiras;
Quando a viola acorda na choça o sertanejo
E a linda lavadeira cantando deixa o brejo,
E a noite – a freira santa – no órgão das florestas
Um salmo preludia nos troncos, nas giestas;
Se acaso solitário passo pelas picadas,
Que torcem-se escamosas nas lapas escarpadas,
Encosto sobre as pedras a minha carabina,
Junto a meu cão, que dorme nas sarças da colina,
E, como uma harpa eólia entregue ao tom dos ventos
– Estranhas melodias, estranhos pensamentos,
Vibram-me as cordas d'alma enquanto absorto cismo,
Senhor! vendo tua sombra curvada sobre o abismo,
Colher a prece alada, o canto que esvoaça
E a lágrima que orvalha o lírio da desgraça,
Então, num santo êxtase, escuto a terra e os céus.
E o vácuo se povoa de tua sombra, ó Deus!

Ouço o cantar dos astros no mar do firmamento;
No mar das matas virgens ouço o cantar do vento,
Aromas que s'elevam, raios de luz que descem,
Estrelas que despontam, gritos que se esvaecem,
Tudo me traz um canto de imensa poesia,
Como a primícia augusta da grande profecia;
Tudo me diz que o Eterno, na idade prometida,
Há de beijar na face a terra arrependida.
E, desse beijo santo, desse ósculo sublime
Que lava a iniquidade, a escravidão e o crime,
Hão de nascer, virentes nos campos das idades,
Amores, esperanças, glórias e liberdades!
Então, num santo êxtase, escuto a terra e os céus,
O vácuo se povoa de tua sombra, ó Deus!

E, ouvindo nos espaços as louras utopias
Do futuro cantarem as doces melodias,
Dos povos, das idades, a nova promissão...
Me arrasta ao infinito a águia da inspiração...
Então me arrojo ousado das eras através,
Deixando estrelas, séculos, volverem-se a meus pés...
Porque em minh'alma sinto ferver enorme grito,
Ante o estupendo quadro das telas do infinito...
Que faz que, em santo êxtase, eu veja a terra e os céus,
E o vácuo povoado de tua sombra, ó Deus!

Eu vejo a Terra livre... como outra Madalena,
Banhando a fronte pura na viração serena,
Da urna do crepúsculo, verter nos céus azuis
Perfumes, luzes, preces, curvada aos pés da cruz...
No mundo – tenda imensa da humanidade inteira –
Que o espaço tem por teto, o sol tem por lareira,
Feliz se aquece unida a universal família.
Oh! dia sacrossanto em que a justiça brilha,
Eu vejo em ti das ruínas vetustas do passado,
O velho sacerdote augusto e venerado
Colher a parasita – a santa flor – o culto,


Como o coral brilhante do mar na vaza oculto,
Não mais inunda o templo a vil superstição;
A fé – a pomba mística – e a águia da razão,
Unidas se levantam do vale escuro d'alma,
Ao ninho do infinito voando em noite calma.
Mudou-se o férreo cetro, esse aguilhão dos povos,
Na virga do profeta coberta de renovos.
E o velho cadafalso horrendo e corcovado,
Ao poste das idades por irrisão ligado
Parece embalde tenta cobrir com as mãos a fronte,
– Abutre que esqueceu que o sol vem no horizonte.

Vede: as crianças louras aprendem no Evangelho
A letra que comenta algum sublime velho,
Em toda a fronte há luzes, em todo o peito amores,
Em todo o céu estrelas, em todo o campo flores...
E, enquanto, sob as vinhas, a ingênua camponesa
Enlaça às negras tranças a rosa da deveza;
Dos saaras africanos, dos gelos da Sibéria,

Do Cáucaso, dos campos dessa infeliz lbéria,
Dos mármores lascados da terra santa homérica,
Dos pampas, das savanas desta soberba América
Prorrompe o hino livre, o hino do trabalho!
E, ao canto dos obreiros, na orquestra audaz do malho,
O ruído se mistura da imprensa, das ideias,
Todos da liberdade forjando as epopeias,
Todos co'as mãos calosas, todos banhando a fronte
Ao sol da independência que irrompe no horizonte.

Oh! escutai! ao longe vago rumor se eleva
Como o trovão que ouviu-se quando na escura treva,
O braço onipotente rolou Satã maldito.
É outro condenado ao raio do infinito,
É o retumbar por terra desses impuros paços,
Desses serralhos negros, desses Egeus devassos,
Saturnos de granito, feitos de sangue e ossos...
Que bebem a existência do povo nos destroços...
..............................................................................
Enfim a terra é livre! Enfim lá do Calvário
A águia da liberdade, no imenso itinerário,
Voa do Calpe brusco às cordilheiras grandes,
Das cristas do Himalaia aos píncaros dos Andes!
Quebraram-se as cadeias, é livre a terra inteira,
A humanidade marcha com a Bíblia por bandeira.
São livres os escravos... quero empunhar a lira,
Quero que est'alma ardente um canto audaz desfira,
Quero enlaçar meu hino aos murmúrios dos ventos,
Às harpas das estrelas, ao mar, aos elementos!
..............................................................................
Mas, ai! longos gemidos de míseros cativos,
Tinidos de mil ferros, soluços convulsivos,
Vêm-me bradar nas sombras, como fatal vendeta:
"Que pensas, moço triste? Que sonhas tu, poeta?"
Então curvo a cabeça de raios carregada,
E, atando brônzea corda à lira amargurada,
O canto de agonia arrojo à terra, aos céus,
E ao vácuo povoado de tua sombra, ó Deus!

ALVES, Castro. Os escravos. São Paulo: Martins Fontes, s.d. p. 159-163. Coleção Biblioteca da Literatura Brasileira, v. 3.

Nenhum comentário:

Postar um comentário