segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Jorge de Lima

Hoje aprendi, para minha surpresa, que liderança se aprende. E, segundo me disseram, uma das características que o líder precisa desenvolver é a tal da resiliência. Em minhas palavras: a capacidade de receber muita porrada e, ao final, retornar à forma original, tendo preservadas sua integridade fisica, mental, moral. Tarefa para semideuses, não? Mas tudo bem, que deve existir um hércules em cada um de nós.
Acontece que atrás de minha orelha tem um cachorro pulguento que não me deixa simplesmente aceitar o fato. Eu tenho que ficar pensando, pensando, pensando de novo sobre o assunto... Aí concluo: essa característica – a resiliência – faz todo sentido num mundo em que uns querem (ou precisam, ou aprendem que precisam) devorar os outros. Se não destruo meu oponente, preciso, ao menos, imobilizá-lo. Num mundo ganha perde, em que trabalhar em equipe é juntar-se a alguns para derrotar outros, ser resiliente é questão de sobrevivência.
Confesso que tal característica faz bem pouco sentido para mim. Eu insisto em acreditar num mundo onde os mais fracos podem e devem ser protegidos e amparados. Onde nossas diferenças são nossas maiores forças. Onde é possível sermos liderados por Deus em favor do bem comum, mesmo diante das maiores adversidades, mesmo quando estamos perdidinhos da silva. Aliás, especialmente nesses casos. 

PELO VOO DE DEUS QUERO ME GUIAR
Jorge de Lima
Clique para ouvir:



Não quero aparelhos
para navegar.
Ando naufragado,
ando sem destino.
Pelo voo dos pássaros
Quero me guiar.
Quero Tua Mão
Para me apoiar,
pela Tua Mão
Quero me guiar.
Quero o voo dos pássaros
Para navegar.
Ando naufragado,
ando sem destino,
quero Teus cabelos
Para me enxugar!
Não quero ponteiro
Para me guiar.
Quero Teus Dois Braços
Para me abraçar.
Ando naufragado,
Quero Teus Cabelos
Para me enxugar.
Não quero bússolas
Para navegar,
quero outro caminho
para caminhar.
Ando naufragado,
Ando sem destino,
Quero Tua Mão
Para me salvar.
LIMA, Jorge de. Obra poética. Rio de Janeiro: Getúlio Costa, 1950, p.276-277.

Nenhum comentário:

Postar um comentário